sexta-feira, 14 de março de 2014

AONDE ANDAM AS SAÍDAS?


              Está ficando cada vez mais difícil acreditarmos em tudo aquilo que ouvimos.
              É tanta notícia paralela, que ficamos sem alternativas.
         Quando pensamos em confiar em alguém ou em alguma notícia, descobrimos que fomos enganados.
              É um boato de cá, um boato de lá, e não se chega a lugar nenhum.
              Parece até que estamos montando um quebra-cabeças, onde as peças não se encaixam.
         Geralmente vivemos a situação citada anteriormente, diante do retrato brasileiro. Estamos vivendo nossos dias mais delicados, pois somos obrigados a decidir, pelo futuro do País.
           São tantas promessas que surgem nos meios de comunicação, fazendo com que o povo fique meio que indeciso.
            Promessas essas vindas de nossos "queridos candidatos" a qualquer cargo no governo. É um candidato querendo apresentar uma proposta melhor que a do outro, é candidato falando mal de candidato, de governo, são documentos que surgem do nada, enfim, tudo para nos confundir.
           Agora que estamos prestes a tomar uma importante decisão, não dá mais para ficarmos no meio termo.
            Devemos lembrar do passado de alguns candidatos, para que não façamos da vitória deles, nossa derrota. As propostas muito elaboradas, inacreditáveis, têm que ser vistas com muito cuidado, pois é aí que pode estar o perigo.
         Não é fácil decidirmos entre esse e aquele candidato, mas é possível usarmos nossas experiências adquiridas, através dos anos.
            Para que tenhamos dias melhores, vamos pensar bastante antes de irmos às urnas, porque quando nos arrependermos, será muito tarde.
             Mais uma vez, muito obrigado por tudo. Fique com Deus.
   

quinta-feira, 13 de março de 2014

A AUTORIDADE DO DINHEIRO

         Geralmente vivemos entre a cruz e a espada. Não sabemos para onde correr.
         Não encontramos uma solução para diversas circunstâncias, na vida.
         Se queremos conseguir algo lutamos muito, e terminamos por desistir.  Tudo poderia ser diferente, se houvesse um estímulo, mas a vida é tão cheia de mistério, que não encontramos uma saída para   alcançarmos novos ares.
        Se dependesse só de nós, todos seríamos mais felizes; infelizmente, a própria sociedade não nos dá alternativas para encontrarmos a tal felicidade.
        Vivemos em uma sociedade, onde o indivíduo não tem quase direito a nada. Até o ar que respiramos, querem cobrar.
         Não podemos ter aquela vida de vinte anos atrás, porque o mundo está ficando cada vez mais, cheio de espinhos. 
         O mais importante em uma nação, são seus habitantes, pois sem eles, a nação  fica oca, vazia. Mas não é o que vemos, atualmente. As pessoas são deixadas de lado, e só se dá importância ao dinheiro, ao poder, ou seja, primeiro eu, segundo eu, terceiro eu, e resumindo: tudo é meu.
         Já se foi o tempo em que podíamos sonhar, e ter aquele sonho concretizado. Hoje sabemos que podemos sonhar, colocar os projetos no papel, e ficarmos com os sonhos frustrados.
         Quem sabe um dia voltemos a ter o País maravilhoso, que já foi o nosso.
        Acredito que ainda poderemos não só sonhar, mas também concretizar todos os nossos desejos escondidos, em nosso interior. E nisso tudo o dinheiro sempre fala  mais alto...
          Por enquanto nos contentemos com os sonhos, afinal, eles não custam nada.
          Mais uma vez, muito obrigado por tudo. Fique com Deus.

quarta-feira, 12 de março de 2014

PAÍS DOS SONHOS

      Vivemos em um País em que as pessoas são obrigadas a sonhar.
      Para alguns acontecimentos serem esquecidos, nosso sofrido povo brasileiro tem que estar sempre sorrindo.
      Já é de praxe para se viver bem aqui no Brasil, aprender a sonhar.
       Se formos pensar em tudo de errado que acontece à nossa volta, não conseguiremos nem dormir, pois os problemas são tantos, que consomem toda nossa energia.
       Na maioria das vezes pensamos em  galgar um espaço ao sol, mas as dificuldades são tantas, que terminados ficando decepcionados, entristecidos, deprimidos, de mal com a vida.
      Como se não bastasse, não podemos usufruir de tudo de bom, que o País oferece. É uma lástima ver pessoas virem de outros países, e se apossarem do que é nosso. Para eles, tudo tem. Para nós, tudo é limitado.
       O sonho de uma casa própria que muitas pessoas tem, nem sempre é concretizado, pois não há um incentivo por parte do governo.
       Imaginamos ter uma vida digna, mas as circunstâncias fazem com que sejamos meros sonhadores. Quando pensamos nos problemas que os adultos tem que enfrentar, lembramos de nosso tempo de criança em que éramos felizes, pois tudo era mais fácil.
       Quando podemos ter um pouco de tranquilidade algo tem que acontecer, para que nosso estado de paz, fique no passado. Um exemplo é quando algo dá certo para nós, vindo da parte do governo.    Sempre que as coisas melhoram, tem que aparecer uma "mão santa" que pode nossos instantes de felicidade.
        Não vou negar que também sonho com um País melhor, em que todos tenham os mesmos direitos, que não haja descriminação alguma, onde todas as raças sejam tratadas por igual.
        Ainda penso no momento em que teremos direito de sonhar, pois nem isso, podemos mais.
       Penso que no momento em que o Brasil seja" independente", seremos mais felizes. Por enquanto temos que suportar os mandos e desmandos, vindos de fora.
       Vivemos em um País livre?
        Mais uma vez.  muito obrigado por tudo. Fique com Deus.

terça-feira, 11 de março de 2014

INDÚSTRIA DO CARNAVAL

         Infelizmente, o Carnaval não é mais aquela festa de tempos atrás.
         Hoje em dia, as coisas estão muito diferentes.
         Atualmente para se brincar durante alguns dias, é preciso desembolsar certa quantia.
         Quando se gasta algum dinheiro e se faz bom proveito da festa, tudo bem.
         Mas acontece que os limites impostos por alguns, terminam descaracterizando o evento.
        Determinadas pessoas até juntam seu dinheiro durante meses, só a fim de investirem no Carnaval que nem sempre ficam satisfeitas, porque a prioridade quase sempre é de "quem pode mais".
         Os artistas que realmente sabem o que é a festa em questão, sempre ficam à parte.
        Hoje, é preferível se ter o "Carnaval vendido", do que uma festa da população e para a população.
        Tanta modernidade, tanta lei imposta, tanto pode e não pode, para quê?
        Em suma: quem fica prejudicada em tudo isso é a população brasileira, que não sabe mais a beleza que é o Carnaval.
        Mais uma vez, muito obrigado por tudo. Fique com Deus.