segunda-feira, 8 de novembro de 2010

DINHEIRO...?

          O Brasil tem uma dívida enorme, para com as pessoas que trabalharam e trabalham tanto, e vêem seu dinheiro diminuindo, a cada dia mais.
          Pessoas que deram e dão seu suor, para verem o progresso brasileiro, sempre estão à margem da sociedade.
          Brasileiros trabalham anos e mais anos, às vezes em situações precárias, e quando chega o momento de se aposentarem, não tem acesso ao seu tão merecido descanso.
          Muitos de nós, termina até chegando ao fim da vida, sem ter conseguido uma aposentadoria.
          Quantas pessoas vivem de favor, porque não conseguiram seu tão sonhado benefício, depois de chegarem a uma idade mais avançada.
          Mesmo ocorrendo esses fatos desastrosos, às vezes somos surpreendidos com algumas medidas, que só nos fazem perder nosso dinheiro, como foi o caso da URV, que até hoje pessoas lutam, para tentarem reaver, o que lhes pertence, por direito.
          Naquela época, muitas pessoas perderam suas economias.
          Economias que até hoje encontram-se esquecidas, pelos governos que se sucedem.
          O imprecionante nisso tudo, é que nós trabalhamos tanto, não temos os salários ideais, e ainda somos submetidos a certas perdas financeiras.
          Quando é para resolver a situação da população, existe muita demora, até a mesma se cansar, e terminar ficando "o dito pelo não dito".
          Ao invés de trabalharmos muito, para termos um futuro certo, o que nos espera às vezes, é a incerteza .
          É difícil algumas pessoas saberem que tem uma certa quantia a receberem, e passam por necessidades, sem precisão.
          Quantas pessoas vivem jogadas ao desprezo, por causa desse tipo de injustiça cometida.
          Se trabalhamos, é porque queremos saber que temos direito ao nosso dinheiro.
          Quando a população se manifestar mais, todo dinheiro esquecido nos cofres brasileiros, logo irão surgir.
          Por isso, só nos resta lembrarmos a música cantada por Gal Costa: ONDE ESTÁ O DINHEIRO?


         

         

Nenhum comentário :

Postar um comentário